Arquivo do mês: junho 2012

Rolling Time – 34º Edição

Foi mal a demora, falha minha mesmo, galera. Mas esse compensa nas risadas, ri muito editando. Confiram e comentem

Segue abaixo o vídeo comentado no podcast:

Ouça também a entrevista da banda guarapuavana, Kingargoolas

Formada em 2003, a Kingargoolas foi durante um bom tempo banda paralela dos seus integrantes. No começo foram poucos ensaios e nenhuma apresentação, mas, ainda assim, rolaram composições que seguraram a onda do grupo.

A partir de 2005, os ensaios ficaram mais regulares e, em 2006, apareceram os primeiros showzinhos. O som pode ser chamado de surf ‘n’ roll, um rock instrumental influenciado por bandas de rock’n’roll, punk rock, garage, country, trilhas de filmes, gibis, desenho animado, entre outros. Os integrantes teimam em manter suas identidades preservadas tocando trajados com máscaras de R$ 1,99.

Em 2008, tocaram em Belo Horizonte/MG na 8ª edição do Primeiro Campeonato Mineiro de Surfe, o maior festival de bandas de surf music e rock instrumental do Brasil, junto a grandes nomes do gênero como Surfadélica, Estrumental, Autoramas, Trilöbit e Os Pazuzus.

Mais informações: http://www.kingargoolas.com.br/

Anúncios

Casa Recomenda – The Black Pacific

“Eu realmente queria mostrar às pessoas que poderia criar um grande álbum por conta própria. Este é o tipo de música que eu tenho tocado por toda a minha vida, então por que não adotá-la?”

Foi sob este comunicado que Jim Lindberg (ex-vocalista do Pennywise) criou o The Black Pacific, em outubro de 2010, grupo que apresentamos neste Casa Recomenda.

Caso você já conheça/curta a essência de bandas que integram a vertente do hardcore melódico, The Black Pacific será de ótimo agrado. Relembrando os clássicos de bandas renomadas, como Bad Religion e o próprio Pennywise, musicas com riffs potentes e vocal agressivo caracterizam o álbum, algo que possiblita no ouvinte um acúmulo e, posterior, descarga momentanea de energia.

E tudo com um “dedo” de Lindberg, que buscou neste novo caminho produções de seu agrado, mas pouco aceitas em eu antigo lar. “Fazer esse álbum foi realmente libertador, pois não havia regras. Foi possível adicionar alguns efeitos de guitarra ou afinações alternativas sem relevar conceitos já consolidados pelo outro grupo”, revelou em nota publicada no site oficial do grupo.

Além do caracter técnico, o frontman também foi o responsável pelas letras, todas com uma pitada de crítica ou reflexão, algo presente nas mensagens propostas pelos grupos dessa vertente.

Atualmente formado por Gavin Caswell, no baixo, Alan Vega, na bateria, Marc Orell, ex-integrante do grupo de celtic punk, Dropkick Murphys, e guitarra, além de Lindberg, que faz função diferenciada a da época do Pennywise, devido ao uso da guitarra junto aos vocais, o The Black Pacific ainda busca a consolidação no ramo.

Apesar de ótima sonoriedade, musicas bem produzidas e resgate do hardcore melódico clássico, turnes ainda ocorrem, apenas, nos Estados Unidos e pouco é divulgado sobre as ações do quarteto. Deixando de lado o detalhe citado, nada desmerece este trabalho.

Para entender um pouco deste ‘acúmulo de energia’ proposto, confira o clipe de The System, faixa-título do álbum homônimo.

O grupo divulgou, em fevereiro do ano passado, que iniciou a produção do segundo disco.

Para mais informações sobre o The Black Pacific acesse: http://theblackpacific.com/

Finalizamos com o segundo e último clipe produzido. Living With Ghosts!

Não esqueçam de comentar. Deêm críticas, sugestões ou indicações!

Valeu!


Casa Recomenda – Halestorm

Ressuscitando uma das mais aclamadas colunas dos antigos podcasts, Casa Recomenda agora vem em forma de post, dando mais espaço para as bandas que aparecem aqui. E, pra começar, a recomendação é o grupo americano Halestorm.

Formada em 97, a banda conta com os irmãos Lzzy Hale (vocal/guitarra base) e Arejay Hale (bateria), além de Joe Hottinger (guitarra solo) e Josh Smith (baixo).

Com um hard rock de primeira, o grupo já lançou dois álbuns de estúdio (o mais recente sendo desse ano), um álbum ao vivo e três EP’s, sendo um deles só de covers (tem até Lady Gaga). Vale destacar também os vocais de Lzzy Hale, que além de ser uma linda, deixa muito marmanjo no chinelo na hora de cantar.

Então, senhoras e senhores, sem mais delongas, nós do Rolling Time apresentamos a banda Halestorm.


Centro-Sul em Foco – Cadillac Dinossauros

Fala galera, a equipe do Rolling Time lança nova coluna! Acompanhe no Centro-sul em Foco o trabalho de bandas independentes que figuram nesta região do Brasil!

CADILLAC DINOSSAUROS (Ponta Grossa/PR)

Unidos desde 2006, os Cadillac’s já figuram entre os grandes nomes do rock em nosso estado. Essencialmente caracterizado pelos acordes do rock’n’roll, os integrantes garantem que as raízes residem no funk, música brasileira, Frank Zappa e Groucho Marx.

O grupo coleciona dois cd’s em sua galeria. Em 2008, fora lançado álbum homônimo, contendo dez musicas. No ano seguinte, “Ser Absurdo”, com 12 faixas, completam o ciclo de lançamentos do trio por enquanto.

Formada por David Barros (Guitarra/Vocal), Hugo Alex (Baixo) e Billy Joy (Bateria), os Cadillac’s já são figuras conhecidas no estado e aos poucos vão desbravando novos territórios como Santa Catarina e São Paulo, nos quais apresentam as produções citadas, além do trabalho com covers, muito bem elaborados por sinal.

Para eles “o principal objetivo é levar a música pura, boa e ‘estribufante’ para o máximo de pessoas possível!”

Cadillac Dinossauros – Terno e Gravata

Cadillac Dinossauros – Cabeça Quadrada

Confira outras músicas da banda no Myspace  e saiba mais sobre os cara acessando o perfil no Facebook.

Valeu salamandros e salamandras! Comentem e aproveitem o espaço para mandar outras bandas. Façam críticas, sugestões, enfim, o que der na telha.

Abraços


Clássicos do rock em bits

Nós, integrantes do Rolling Time, crescemos em uma geração na qual os consoles figuravam parte de nossa rotina. Antes mesmo de conhecer alguns conceitos, tanto técnicos quanto ideológicos, que caracterizam a gama de vertentes do rock, passávamos algumas tardes em frente a tela, visando e jogando clássicos do Nintendinho, Mega Drive e Super Nintendo.

Dentre estes reside Rock & Roll Racing, desenvolvido pela Blizzard Entertainment, para Snes e Mega Drive, em que o objetivo principal é vencer corridas interplanetárias. Contudo, este não era o único atrativo do jogo. Sua trilha sonora, composta por grandes nomes do rock`n`roll clássico, como Deep Purple e Black Sabbath, fora, definitavamente, algo que marcou as produções da época.

Mas, claro, por se tratar de um game em plataforma 16 (Mega Drive) ou 32 (Snes) bits, a melodia é um tanto inusitada e se em principio causa certo estranhamento, após algumas audições, é possível avaliar positivamente o trabalho dos envolvidos.

Segue algumas músicas pertencentes a Rock & Roll Racing:

Deep Purple – Highway Star

Steppenwolf – Born to be Wild

Rock & Roll Racing, clássico dos anos 90, ficou marcado pelas novidades em jogabilidade, além de incluir clássicos do rock.

 

Em seguida, confira versões em 8 bits, utilizado em videogames de terceira geração, como o nintendinho.

Aguardamos comentários! Críticas e sugestões serão bem vindas!

Abraço